T.1 EP.8 – “ESCULTURA” | COMO SERIA O MUNDO SEM?

Escultura é considerada a terceira das artes clássicas. Surgiu na pré-história e passou por muitos movimentos técnicos e de linguagem ao longo da história da humanidade. A Grécia Clássica é o berço ocidental da escultura, que surgiu no sec. 10 a.C., sendo copiada posteriormente pelos romanos.

O intuito inicial foi a imitação da natureza e do corpo humano através de objetos tridimensionais. A partir disso, evoluiu como arte, agregando outros sentidos como representação abstrata, questionamentos filosóficos e utilidade mobiliária.

Na antiguidade, os materiais mais utilizados costumavam ser pedra, madeira, mármore e bronze. Hoje, muitos materiais foram criados e incorporados, como plástico, resinas e aço, possibilitando mais versatilidade na expressão artística.

No 8º episódio da série “Como seria o mundo sem?” convidamos o escultor brasileiro Hugo França para uma conversa sobre a escultura como expressão artística e sua importância para a humanidade.

Hugo França

Gaúcho de Porto Alegre, nasceu em 1954. Mudou-se para Trancoso (BA) no início dos anos 80, onde viveu por 15 anos, procurando uma maior aproximação da natureza. Lá descobriu um enorme desperdício de material proveniente da extração e uso da madeira, que motivou seu trabalho como designer.

Desde o final da década de 80, Hugo se dedica a criar “esculturas mobiliárias” – expressão usada primeiramente pela crítica Ethel Leon e adotada pelo designer por sua precisão em descrever a produção que ele executa – não apenas decorativas, mas funcionais para o uso no dia a dia. As peças são criadas respeitando ao máximo as formas originais e orgânicas da madeira, transformando cada matéria em uma obra única.

 

Eu uso um tipo de madeira específica que se chama Pequi. A utilidade do Pequi era para confeccionar as canoas. E o início do meu trabalho foi utilizando as canoas que os pescadores não usavam mais, e aproveitando essa forma e adaptando-as para um mobiliário.

 

O principal diferencial do trabalho de Hugo França é o olhar que dá aos resíduos florestais e urbanos desde o momento em que são encontrados – uma busca que exige um trabalho constante dele e sua equipe pelas matas e campos de Trancoso. Tudo é aproveitado: raízes desenterradas, troncos ocos, toras maciças. Os primeiros cortes são feitos na própria mata, por conta dos tamanhos gigantescos de algumas árvores encontradas.

Diversas obras do artista fazem parte do acervo permanente de Inhotim.

 

Conheça mais o trabalho do Hugo através do site oficial.

Aqui você pode acompanhar um pouco do processo das criações das obras.

E para você, como seria o mundo sem escultura? Conta pra gente aí nos comentários.

 


Saiba mais sobre este projeto inédito do On•Z

‘Como seria o mundo sem?’ é uma série documental sobre as onze artes mais presentes na atualidade.

O On•Z e a Weedoo Studio of Arts and Films desenvolveram este projeto, que conta com a participação de artistas de várias nacionalidades, para que possamos entender a importância das artes, não só no Brasil mas no mundo todo. Esta série nasce com a intenção de nos fazer refletir sobre a influência causada por cada uma das artes, tanto no desenvolvimento da humanidade ao longo dos tempos e seu impacto na vida de cada ser humano, como na transformação do mundo e da sociedade como um todo, deixando a pergunta no ar para que cada um tente responder individualmente: “COMO SERIA O MUNDO SEM?” [as artes].

Produtor, Ator e Diretor (nem sempre nesta ordem). Carinho especial pela arte da gastronomia. :)

Posts relacionados